O surto da Covid-19 e o isolamento social imposto para conter o avanço da pandemia mudaram rapidamente as relações de consumo.

No setor da moda, o fato é que todos estão sendo atingidos de alguma forma. A Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) calcula uma queda de 80% nas receitas movimentadas pelo segmento. Esta porcentagem é fruto de uma pesquisa da Abit, realizada entre 16 e 26 de março, com 225 fábricas e confecções de todo o País.

Segundo o presidente da entidade, Fernando Pimentel, muitas empresas estão investindo no segmento hospitalar para diminuir o impacto da crise. “As empresas voltadas à produção de equipamentos médicos estão passando bem por este período, então várias fábricas estão convertendo suas produções para esse setor”. 

Ainda nesse contexto de alternativas para driblar a crise – e sem qualquer certeza sobre quando os lojistas poderão reabrir seus pontos físicos – a indústria têxtil tem mirado nos produtos mais procurados pelos consumidores que investem no setor por meio de compras on-line. Aliás, se você mantém sua loja totalmente off-line, o momento exige que você migre para o serviço de vendas on-line.

Quem está comprando? 

Os clientes mais jovens – entre as idades de 18 a 35 anos – estão mantendo a economia. Os praticantes do home office também estão estimulando o comércio de moda durante o expediente.

Pesquisa feita pela consultoria Iemi Inteligência de Mercado com 410 consumidores brasileiros de todas as regiões e classes sociais do país mostra que um terço dos entrevistados pretende comprar roupas e calçados durante a pandemia da Covid-19. 

Entre os consumidores que pretendem comprar durante a pandemia, 76% disseram que farão compras pela Internet. Outros 16% disseram que vão esperar as lojas físicas reabrirem para comprar e 8% vão adiar as compras até saberem o que vai acontecer com o país após a quarentena.

Em relação aos meios de contato com as lojas, 58% dos consumidores que pretendem ir às compras disseram que estão usando o site da loja; 38% usam o aplicativo da loja; 38% usam o WhatsApp e 37%, o Instagram.

A pesquisa também indicou que 51% dos consumidores informaram terem recebido ofertas das lojas pelo celular (por SMS, WhatsApp, Instagram) após o fechamento das lojas físicas.

Assessoria da R.Baccin

Como a sua loja tem migrado para os serviços on-line? 

Clientes da R.Baccin que têm interesse em vendas on-line ou via WhatsApp, nós podemos ajudá-los a otimizar o frete para entrega de mercadorias com o apoio estratégico de nossas colaboradoras via WhatsApp.

A R.Baccin, que conta com experiência e conhecimento de 63 anos de mercado em representação de roupas e assessoria de compras, quer te ajudar!

Entre em contato com a gente pelos nossos canais AQUI. 

Esperamos seu contato,

Até breve!